Upherb logo

Pesquisa

Manejo Químico

IMAZAMOXI

Eng. –Agr. Dr. Mauro Antônio Rizzardi Professor da Universidade de Passo Fundo, RS

2-[4,5-dihydro-4-methyl-4-(1-methylethyl)-5-oxo-1H-imidazol-2-yl]-5- (methoxymethyl)3-pyridinecarboxylic acid, também denominado como: (RS)-2-(4- isopropyl-4-methyl-5-oxo-2-imidazolin-2-yl)-5-methoxymethylnicotinic acid é uma molécula disponível para uso na modalidade de pós-emergência na cultura do Feijão e Soja. Nas culturas de Canola, Girassol e Trigo Clearfield ® . As suas principais características podem ser visualizadas no Quadro 1.


Quadro 1 – Algumas propriedades físico-químicas do imazamoxi

Uso herbicida

Imazamoxi é classificado no Grupo 2 (WSSA) e no Grupo B (HRAC), mecanismo de ação “Inibidores da enzima Acetolactato Sintase (ALS/AHAS)”. Grupo químico imidazolinonas.

Herbicida seletivo para o controle de espécies principalmente eudicotiledôneas (folhas largas) e de algumas monocotiledôneas (Quadros 2 e 3).

Na cultura do Trigo Clearfield ® é indicado para uso em pós-emergência da cultura e das plantas daninhas. Para essa modalidade as plantas daninhas alvo estão citadas no Quadro 2.

Quadro 2 – Plantas daninhas controladas com o herbicida imazamoxi

*Produto comercial = Raptor® 70 DG equivale a 700 g i.a. de imazamoxi).

As espécies daninhas controladas pelo herbicida imazamoxi estão listadas no Quadro 3.

Quadro 3 - Espécies daninhas controladas pelo herbicida imazamoxi*

*Produto comercial = Raptor® 70 DG equivale a 700 g i.a. de imazamoxi).

Comportamento na planta

Herbicidas do grupo das imidazolinonas, com o imazamoxi, inibem a enzima Acetolactato Sintase (ALS/AHAS). Essa enzima é chave na biossíntese de aminoácidos de cadeia longa leucina; isoleucina e valina (Figura 1).

O crescimento das plantas sensíveis é inibido poucas horas após a sua aplicação, mas os sintomas de injúria são visíveis 1 a 2 semanas após. Os sintomas são caracterizados pela clorose das áreas meristemáticas, seguidas pela lenta e geral clorose e necrose foliar.

São herbicidas geralmente absorvidos rapidamente pelas folhas e pouco pelas raízes. A sua translocação ocorre tanto pelo xilema quanto pelo floema. Em determinadas espécies pode ocorrer lenta translocação devido a sua metabolização à metabolitos não móveis. Na soja a sua tolerância está associada à rápida metabolização. Já, plantas daninhas suscetíveis possuem reduzida capacidade de metabolizar o produto.

Comportamento no solo

Geralmente fracamente retido ao solo, mas a sua adsorção aumenta em solos com maiores teores de argila e matéria orgânica e em solos com reduzidos teores de umidade.

A sua degradação é microbiana, sendo a mesma reduzida em solos anaeróbicos. Estudos indicam que imazamoxi permanece nos primeiros 30 cm do solo e que não possui potencial para lixiviar para camadas mais profundas do solo.A sua degradação é microbiana, sendo a mesma reduzida em solos anaeróbicos. Estudos indicam que imazamoxi permanece nos primeiros 30 cm do solo e que não possui potencial para lixiviar para camadas mais profundas do solo.


Figura 1 – Inibição da rota de síntese de enzima Acetolactato Sintase (ALS) pelo herbicida imazamoxi

Bibliografia consultada

Weed Science Society of America. Herbicide Handbook. WSSA (Lawrence). Edição 10, 2014. 513p.

CONTATO

Entre em contato conosco

O UP-Herb – Academia das plantas daninhas disponibilizará:

  • Palestras técnicas presenciais ou online
  • Webinars
  • Cursos de curta duração
  • Treinamentos e consultoria in loco